Tuesday, March 20, 2018

O Chamado do cuco - Robert Galbraith [Resenha]

March 20, 2018 8 Comments


Quando uma modelo problemática cai para a morte de uma varanda coberta de neve, presume-se que ela tenha cometido suicídio. No entanto, seu irmão tem suas dúvidas e decide chamar o detetive particular Cormoran Strike para investigar o caso.Strike é um veterano de guerra, ferido física e psicologicamente, e sua vida está em desordem. O caso lhe garante uma sobrevida financeira, mas tem um custo pessoal: quanto mais ele mergulha no mundo complexo da jovem modelo, mais sombrias ficam as coisas e mais perto do perigo ele chega.

  Título: O Chamado do Cuco (The Cuckoo's Calling)

  Autor: Robert Galbraith

  Editora: Rocco

  Páginas: 448

  Adicione no Skoob | Compre na Amazon

O Chamado do Cuco me fez lembrar muito dos livros de Agatha Christie. Com certeza podemos notar uma inspiração na rainha dos romances policiais. A tradução é de Ryta Vinagre, nunca tive problemas com as traduções dela, mas percebi alguns problemas neste livro. Alguns dialetos poderiam ter sido traduzidos diferentemente, fora isso o livro é fantástico!

Logo na primeira página vem escrito: Robert Galbraith é pseudônimo de J.K. Rowling. Achei isso muito ruim para a autora, que ficou muito brava com o feito, e com razão! Se ela quisesse ser identificada como autora do livro, não teria utilizado um pseudônimo... Mas voltando ao assunto!

Me envolvi muito neste misterioso caso do detetive Cormoran Strike. Strike é um veterano de guerra com muitos problemas pessoais e financeiros. Um personagem real e humano como todos nós. Quando recebe um caso sobre a morte de uma famosa modelo, que pode também resolver seus problemas financeiros, Cormoran se envolve em uma busca interminável de possíveis suspeitos. Contando sempre com a ajuda de Robin, sua inteligente e prestativa secretária, curiosa e apaixonada por seu trabalho. Robin devia ser apenas uma temporária, pois Strike estava muito afundado em suas dívidas para pagá-la por tempo integral. Porém, Robin acaba envolvendo-se com o caso. Ela demostra-se tão útil com sua eficiência que Strike não pode dar-se ao luxo de vê-la ir embora e tenta mantê-la por perto o máximo possível.
Uma luz fria banhava o interior da tenda. Dois homens estavam agachados ao lado do corpo, prontos para, emfim, transferi-lo para um saco mortuário. A cabeça da mulher sangrara um pouco na neve. O rosto estava esmagado e inchado, um olho reduzido a uma prega, o outro mostrando uma lasca de branco opaco por entre as pálpebras distendidas. Quando o top de lantejoulas que ela vestia cintilava nas leves alterações da luz, dava a impressão inquietante de movimento, como se ela voltasse a respirar ou retesasse os músculos, pronta para se levantar.

O Chamado do cuco é envolvente e chega a um ponto em que você não confia mais em ninguém. Todos podem ser o assassino, todos podem ter um motivo. Um livro para passar noites e noites acordadas. Recomendo muito!

Monday, March 19, 2018

A Forma da água - Crítica

March 19, 2018 4 Comments
Década de 60. Em meio aos grandes conflitos políticos e transformações sociais dos Estados Unidos da Guerra Fria, a muda Elisa (Sally Hawkins), zeladora em um laboratório experimental secreto do governo, se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa e maltratada no local. Para executar um arriscado e apaixonado resgate ela recorre ao melhor amigo Giles (Richard Jenkins) e à colega de turno Zelda (Octavia Spencer).


  Título: A Forma da água (The Shape of water)

  Diretor: Guillermo Del Toro

  Ano: 2017

  País: EUA


A Forma da água, ganhador do Oscar de melhor filme, não me surpreendeu tanto quanto eu esperava. Acho que minhas espectativas estavam muito altas e, por isso, o filme acabou me decepcionando um pouco na história. É um filme estremamente bonito. A fotografia e as atuações estão simplesmente incríveis. Porém, não é nada surpreendente ou novo.
O filme conta a história de Elisa, chamada de "A Princesa sem Voz". Elisa é muda e sua melhor amiga e colega, Zelda, a empresta sua voz. Ambas trabalham em uma base secreta do governo Norte Americano como faxineiras.  Lá, Elisa conhece a "Criatura". Um ser aquático capturado na Amazonia. Logo, Elisa se apega e cria um vínculo com a Criatura, que parece responder aos estímulos dela, como a língua de sinais e música.
Como eu disse, é um filme muito belo. Guillermo Del Toro sabe muito bem como construir uma fantasia/romance usando todos os elementos possíveis do cinema. O filme se utiliza de muitos elementos para falar sobre preconceito. Além daquela velha história de que o que importa é o interior. Ainda, existem diversas reflexões sobre o que é ser "humano". Entretanto, fora esta maravilhosa mensagem, o filme é completamente previsível.
Basta assistir alguns minutos para saber onde a história vai dar. Isso me deixou um pouco decepcionada. Nem por isso deixei de aproveitar o filme até o fim. Achei o filme merecedor do Oscar de melhor Direção de Arte, pois as imagens são maravilhosas. Não achei justa a indicação de Melhor Roteiro Original, pois não achei tão original assim, mas enfim, o filme não ganhou nesta categoria. Fiquei com vontade de ler o livro, talvez me impressione mais.

Thursday, March 15, 2018

Amanhã você vai entender - Rebecca Stead [Resenha]

March 15, 2018 4 Comments

Amanhã Você Vai Entender: A jovem Miranda Sinclair precisa desvendar um enigma na Nova York do final da década de 1970. Em Amanhã você vai entender, seu melhor amigo é agredido na rua, um estranho pode ter invadido a casa dela e uma série de bilhetes, que ela não compreende nem tampouco sabe quem escreve, alerta sobre a morte de alguém. Alguém que ela poderá ajudar a salvar.
À medida que as mensagens chegam, Miranda percebe que quem as escreve sabe de detalhes de sua vida que ninguém deveria saber. E, conforme as peças do quebra-cabeça se encaixam, ela finalmente percebe que a resposta esteve ali, bem em sua frente - mas o tempo é ardiloso: guarda hoje momentos que só amanhã você vai entender.

  Título: Amanhã você vai entender (When you reach me)

  Autor: Rebecca Stead

  Editora: Intrínseca

  Página: 224

  Adicione no Skoob | Compre na Amazon

Amanhã Você Vai Entender

Amanhã você vai entender foi com certeza o livro mais fofo que li na minha vida! A história começa com Miranda, uma menina de doze anos que ama ler. Ela está ajudando sua mãe a treinar para A pirâmide de 20 Mil Dólares. Um show de respostas rápidas para o qual sua mãe foi convidada. Ela acredita que todas as pessoas possuem um véu e que, com concentração, podemos levantá-lo e ver as coisas como realmente são por um momento. A maioria dos capítulos do livro começam com a frase "Coisas que..." e mais tarde descobrimos que isso é uma referência às categorias do programa.

Miranda é mais uma das muitas personagens com quem me identifico. Apesar de ser uma criança, ela é uma personagem forte, sonhadora e apaixonada por seu livro favorito. Um livro sobre viagens no tempo e espaço. Miranda e seu melhor amigo são inseparáveis, até que, um dia, ele leva um soco de um garoto na rua sem nenhum motivo aparente e sua atitude muda. Ele e Miranda deixam de ser amigos tão chegados e ela se vê obrigada a fazer outros amigos para preencher o vazio.

É a partir daí que a história começa. Miranda conhece e faz novos amigos e começa a ter uma visão diferente das coisas. Até receber seu primeiro bilhete. Um bilhete anônimo com informações precisas sobre ela e seus amigos. O bilhete diz que alguém está chegando, mas ela não tem como saber quem e nem como aquela pessoa poderia saber tantas coisas sobre o que está acontecendo e até sobre o que ainda não aconteceu.

Depois de ter lido alguns capítulos eu acreditava ter matado a charada do livro e descoberto o final. A verdade, é que eu realmente descobri algo, mas não tudo. É impossível não se surpreender com o final dessa história. É muito difícil falar sobre Amanhã você vai entender de uma forma que faça 100% de sentido. É um livro lindo! Todos os personagens são chaves para o mistério e nada acontece por acaso.
Às vezes, porém, nosso véu é tirado por alguns instantes, como se um vento o soprasse para longe. E quando ele levanta, podemos ver tudo como realmente é, por apenas aqueles poucos segundos antes que o véu volte a seu lugar. Enxergamos toda a beleza, a crueldade, a tristeza e o amor. Mas, na maior parte do tempo, ficamos felizes por não vermos isso. Algumas pessoas aprendem a levantar deu véu sozinhas. Assim, não precisam mais depender do vento.

A autora foi totalmente feliz com a escrita, manteve totalmente o mistério e nossa curiosidade durante toda a leitura. A tradução foi muito bem feita e não encontrei erros de ortografia ou diagramação. Recomendo totalmente o livro, é uma ótima leitura.

Tuesday, March 13, 2018

O Diabo Veste Prada - Lauren Weisberger [Resenha]

March 13, 2018 4 Comments
Andrea Sachs é uma jovem recém-formada que conquista um emprego que deveria deixar roxas de inveja milhares de garotas: o de assistente de Miranda Priestly, reverenciada editora da revista Runway Magazine, a mais bem-sucedida revista de moda do momento. Logo ela percebe, porém, que o emprego pelo qual um milhão de garotas dariam a vida para ter pode simplesmente acabar com ela. De uma hora para outra, a jovem jornalista se vê num escritório onde as palavras Prada, Armani e Versace são lei e começa a conviver de perto com o fascinante mundo da moda. Fascinante, mas nem tão glamouroso assim. Ela logo percebe que, em lugar de escrever reportagens e editoriais de moda, seu trabalho na Runway será o de atender aos caprichos da chefe. Miranda é a personificação do pesadelo para Andrea.

Título: O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada)

Autor: Lauren Weisberger

Editora: Anchor Books (Lido em inglês)

Páginas: 448

Olá, Foxes! Voltando a ativa após o Chá de Bebê. Essas últimas semanas foram uma correria gigante que vocês não tem nem como imaginar! (risos)

Bom, O Diabo Veste Prada foi o primeiro livro que abandonei em toda a minha vida. Já existiram diversos livros dos quais eu não gostei, mas eu sempre li o livro até o fim. Assim, eu poderia ter bons argumentos sobre não ter gostado do livro, ou até mesmo, quem sabe o final me surpreendesse e eu acabaria gostando?

"O diabo veste Prada" não foi um desses livros, infelizmente eu não consegui achar forças para lê-lo até o fim. Às vezes eu me pergunto se foi a diagramação e alguma outra edição me agradasse mais, mas tenho muito medo de gastar com algo que já tenho e novamente não gostar. Até porque eu tentei ler o livro não apenas uma, mas três vezes.

Andrea é uma garota simples com o sonho de tornar-se jornalista. Ela acredita que seu sonho foi alcançado quando finalmente é chamada para uma entrevista na Runway Magazine, mas a vaga disponível é de segunda assistente da editora chefe. Andrea aceita ir à entrevista, afinal, ela poderá tornar-se jornalista futuramente uma vez que já trabalhasse no local e a vaga aparecesse. Quando Andrea chega com suas roupas "comuns" à entrevista e sem nenhuma informação, pois ela nunca foi ligada em moda, logo é descartada pela editora. Porém, sua sinceridade durante a entrevista faz com que ela consiga o emprego.

O que ela não sabe é que sua nova chefe Miranda Priestly é uma mulher amarga que não aprecia o trabalho dos outros e está focada em testá-la até que ela perca os limites.

Achei a proposta da história ótima e tinha tudo para dar certo, mas a narrativa foi cansativa e repetitiva. A personagem de Andrea dando tudo de si para agradar a chefe que sempre acha um jeito de perturbá-la um pouco mais.
Talvez, apenas talvez, ela envenene-se com alguma coisa crua e exótica e então seremos todos soltos de sua teia de rancor. Eu dei uma última tragada antes de apagar o cigarro e disse a mim mesma para ser racional. Você não quer que ela morra, eu pensei, me espreguiçando no banco de trás. Porque se ela morrer, você vai perder a esperança de matá-la com suas mãos. E isso seria uma pena. (Tradução livre)

 

Como eu disse, eu abandonei esse livro e não tenho orgulho em dizer isso. Nunca passei da página 200. A leitura foi muito cansativa e pesada e a diagramação do livro original é muito confusa para os olhos. A vida é muito curta para ler um livro ruim com tantos livros bons esperando na estante.

E vocês, já leram?

Beijos!

Thursday, March 8, 2018

Perdão, Leonard Peacock - Matthew Quick [Resenha]

March 08, 2018 4 Comments
Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.

Título: Perdão, Leonard Peacock (Forgive-me, Leonard Peacock)

Autor: Matthew Quick

Editora: Intrínseca

Páginas: 224

Adicione no Skoob

Perdão, Leonard Peacock é o segundo livro que já li de Matthew Quick. Novamente, o autor conseguiu passar totalmente as emoções do personagem para o leitor. Narrado em primeira pessoa por Leonard Peacock, o livro nos transmite detalhadamente as inseguranças e pensamentos do personagem.

Leonard é um adoescente que não se encaixa em sua escola. Ele é tido como um garoto estranho. Filho de pais ausentes, ele se vira sozinho em Nova Jersey. Há apenas quatro pessoas que ele considera como amigas: Walt, seu vizinho idoso; Baback, um menino Afegão que toca violino; Lauren, uma menina cristã que ele conheceu na estação de trem, e Her Silverman, seu professor.

Logo no início descobrimos seus planos para o dia de hoje. Ele irá se despedir com um presente para cada amigo, matar o seu ex-melhor amigo e se suicidar. Isso já é o suficiente para deixar qualquer um curioso. Afinal, o que aconteceu para levá-lo a isso?

É à essa pergunta que o livro responde. Nele, acompanhamos Leonard pelos acontecimentos que o levaram a esse dia. É impossível não simpatizar com o personagem. Ele é um garoto inteligente que pensa por si só e não entende como as pessoas podem se limitar a pensamentos apenas para agradar os outros. Por que alguém faria algo que não gosta apenas porque têm que fazer?

Ao longo do livro, você vai se apegando cada vez mais a Leonard e entendendo seu ponto de vista. A escrita de Matthew é fluída e sua habilidade de escrever em primeira pessoa é incrível. O personagem "cospe" pensamentos e mantém o leitor preso do início ao fim. É uma leitura que poderia facilmente ser dada em um dia.

E vocês, já leram?

Lembrando que hoje é último dia para se inscrever no sorteio que está rolando aqui no blog valendo dois livros. Perdão, Leonard Peacock e O Lado bom da vida. Clique na imagem para ver o post do sorteio!

Monday, March 5, 2018

Desafio: Oscar 2018 - Março

March 05, 2018 2 Comments
Olá! Como sabem, durante todo o ano estará rolando aqui no blog o Desafio Oscar 2018. Onde eu irei assistir e criticar todos os filmes indicados ao Oscar este ano. Não esquece de conferir os filmes que foram criticados durante o mês de Fevereiro.

Ontem, dia 2 de Março, aconteceu a cêrimonia e conhecemos os ganhadores do prêmio. Então, decidi dedicar este mês a alguns ganhadores. As críticas serão feitas ao longo do mês e linkadas aqui.

Confere o que vai aparecer por aqui:

A Forma da água

Poster do filme A forma da águaIndicado: Melhor Filme; Melhor Direção; Melhor Atriz; Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Atriz Coadjuvante; Melhor Roteiro Original; Melhor Fotografia; Melhor Figurino; Melhor Mixagem de Som; Melhor Edição de Som; Melhor Design de Produção; Melhor Direção de Arte; Melhor Trilha Sonora Original; Melhor Montagem.

Ganhador:  Melhor Direção de Arte; Melhor Direção; Melhor Filme; Melhor Trilha Sonora Original.

Três anúncios para um crime

Poster do Filme Três anúncios para um crimeIndicado: Melhor Trilha Sonora Original; Melhor Direção de Arte; Melhor Roteiro Original; Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Atriz; Melhor Filme.

Ganhador: Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Atriz.

 

Eu, Tonya

Poster do filme Eu, TonyaIndicado: Melhor Atriz; Melhor Atriz Coadjuvante; Melhor Montagem;

Ganhador: Melhor Atriz Coadjuvante.

 

 

Dunkirk

Poster do filme DunkirkIndicado: Melhor Trilha Sonora Original; Melhor Montagem; Melhor Design de Produção; Melhor Edição de Som; Melhor Mixagem de Som; Melhor Fotografia; Melhor Filme.

Ganhador: Melhor Edição de Som; Melhor Montagem.

 

O Destino de uma nação

Indicado: Melhor Filme; Melhor Ator; Melhor Fotografia; Melhor Figurino; Melhor Design de Produção; Melhor Maquiagem e Cabelo.

Ganhador: Melhor Ator; Melhor Maquiagem e Cabelo.

 

E vocês? Já assistiram quais?

Beijos!

Friday, March 2, 2018

A Garota de Papel - Guillaume Musso [Resenha]

March 02, 2018 2 Comments
Capa do livro A Garota de Papel do autor Guillaume MussoA garota de papel conta a história de Tom Boyd, o escritor do momento. Os dois primeiros volumes de sua Trilogia dos Anjos já vendera milhões de exemplares e colecionam fãs no mundo inteiro. Mas, ao perder seu grande amor, Tom cai em uma profunda crise criativa e se sente incapaz de escrever uma única linha do esperado último livro da trilogia, recorrendo à bebida e às drogas para aliviar sua dor. Certa noite, uma misteriosa mulher aparece em sua casa e afirma ser Billie, personagem de seus romances, caída da página do livro para o mundo real por causa de um erro de impressão no segundo volume da trilogia. Se Tom não voltar a escrever, ela morrerá. Juntos, eles saem em uma fabulosa jornada ao longo das costas californiana e mexicana para tentar recuperar o amor perdido de Tom e, assim, sua inspiração. O que ele nem desconfia, porém, é que o destino é caprichoso e talvez as coisas não sejam como ele imagina...

Título: A Garota de Papel (La Fille de Papier)

Autor: Guillaume Musso

Editora: Verus

Páginas: 350

Adicione no Skoob

 

Oi Foxes!! Essa semana foi super corrida para mim. Como não havia me programado bem, acabei deixando o blog desatualizado. (Shame on me!) Tive um super curso sobre paternidade e ainda estou preparando as coisas para o meu chá de bebê. Então com essas prioridades, não postei essa semana. Agora tudo já está certo para a próxima semana.

Voltando... A Garota de Papel me deixou sem reação, sem ar, não sabia como reagir a ele. Com uma história muito envolvente e criativa, o autor me captou totalmente durante a maioria dos capítulos do livro. Digo, maioria, pois foi um livro que eu devorei muitos capítulos em poucas horas. Cheguei a deixar outras leituras totalmente abandonadas para lê-lo. Entretanto, conforme a história foi se desenrolando eu acabei desanimando um pouco e o autor começou a me perder, apenas para me conquistar novamente e me deixar sem palavras nos últimos capítulos.

Tom Boyd é um escritor best-seller que, ao sofrer uma desilusão amorosa, perde sua paixão e ânimo para escrever. Para piorar, a edição especial de seu livro, que deveria ser perfeita, sofreu um erro de impressão, terminando de repente no meio de uma frase inacabada e deixando metade das páginas em branco. Ele ainda descobre que seu agente, e melhor amigo, perdeu todo o seu dinheiro em ações. Tom fica sem nada, amor, casa e trabalho. É, então, que ele descobre, nua em sua sala de estar, Billie. A personagem secundária de seu romance que caiu da linha inacabada direto em sua casa.

Para voltar ao seu mundo, Billie precisa fazer Tom escrever. Ela promete ajudá-lo a encontrar e reconquistar sua ex-namorada e, em troca, Tom deve escrever o terceiro volume de sua trilogia e dar-lhe uma vida melhor durante a história.
"Eu estava de queixo caído. Estava tudo certo. Ou aquela mulher era louca e se identificara com a personagem de Billie por um mimetismo espantoso, ou ela realmente era Billie, e então era eu quem enlouquecera."

 

Quando comecei a ler A garota de papel, achei que fosse uma história um pouco previsível. Uma personagem vindo para a vida real e o autor tendo que mandá-la de volta. Porém, eu estava enganada. Eu jamais poderia ter imaginado como a história se desenrolaria.

É um livro que me deixou sem palavras, sem ter certeza do que tinha lido e o que pensar sobre tudo isso. Como eu disse, em alguns momentos dei um tempo na leitura, pois as séries de desventuras se tornaram um pouco cansativas para mim. Agradeço por não ter parado de ler porque o final, totalmente surpreendente e imprevisível, me deixou sem ar.

Todos os capítulos começam com citações, algumas de livros e outras de famosos. Todas representam algo do capítulo. Gostei muito disso e não conhecia muitas das frases.

Eu li a edição digital do livro, e notei muitos erros ortográficos e também palavras e frases não traduzidas. Não sei se esses erros existem no livro impresso. Ao todo, dei três estrelas para ele no skoob. Pois, apesar de ter me surpreendido muito no final e me cativado totalmente no início, achei muitas partes difíceis de seguir e demorei muito para chegar ao final do livro.

E vocês, já leram? Comenta aqui! Beijos!!