Saturday, February 24, 2018

A Bela e a Fera - Crítica

February 24, 2018 10 Comments
 

Poster do filme A Bela e a Fera 2017

 

Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

 

 

Título: A Bela e a Fera (Beauty and the Beast)

Diretor: Bill Condon

Ano: 2017

País: EUA

Olá! Mais um post do nosso Desafio Oscar 2018 – Fevereiro. Esta é a última crítica cinematográfica deste mês. Confere lá os filmes que já passaram por aqui.

Para começar, gostaria de dizer que A Bela e a Fera é uma de minhas histórias favoritas. Acho que qualquer menina viciada em livros e apaixonada por aventuras se viu na personagem de Belle.

Bela na biblioteca

A Bela e a Fera (2017) é uma versão live action do longa de animação feito pela Disney em 1991. O filme conta com todos os personagens originais e até mesmo a trilha sonora maravilhosa de Alan Menken que embalou infâncias e ganhou o Oscar em 1992.

Quando ouvi falar de uma versão live action do filme, minha reação foi: "Pra quê?". O original é tão lindo e completo. Não achei necessário que houvesse uma versão exatamente igual, porém live action.

Quando a última pétala cair

Após assistir, continuo achando a versão desnecessária, mas não tem como falar mal do filme. A Disney segue se superando. A escolha do elenco foi ótima. Ninguém além da nossa querida Emma Watson poderia fazer o papel de Belle.

Bela lendo

A Bela e a Fera ainda tocou em um ponto que a animação sempre deixou em aberto (acredito que por causa da época em que foi lançada), que é o amor platônico que Lefou sente por Gaston. Para mim isso sempre foi algo óbvio. A Disney decidiu optar por deixar bem claro no filme que não era apenas um "bromance", mas sim um sentimento verdadeiro não correspondido. Eu achei o máximo a Disney botar a cara a tapa e fiquei muito triste ao ver que muitas pessoas criticaram o filme por causa disso.

Lefou e gaston

O filme ainda se aprofunda na história, revelando mais sobre Adam (o príncipe) e como ele se tornou alguém tão egoísta. (O nome do príncipe não é citado no filme, mas aparece na história francesa original). Também vemos diversas músicas novas, além das que já conhecemos. Para mim foi impossível não cantar junto "Belle" e "Beauty and the Beast".

Bela e fera dançando

E vocês, já assistiram? Comenta aqui.

Beijos!!

Thursday, February 22, 2018

O Conto do Adivinho - Bradford Morrow [Resenha]

February 22, 2018 1 Comments
Capa do Livro O Conto do Adivinho do autor Bradford MorrowCassandra Brooks leva uma vida aparentemente normal. Ela divide seu tempo entre a escola em que leciona e à criação dos filhos gêmeos. Para complementar a renda, dedica seu tempo livre à prática da antiga arte da radiestesia, que aprendeu com o pai. Ao ser contratada para encontrar o melhor lugar para se construir um lago em terras particulares, ela tem uma aterradora visão de uma menina enforcada. Então, uma série de estranhos acontecimentos leva Cassandra a confrontar um passado que julgava enterrado e a força não apenas a lidar com seus piores dramas como também com algo real e perigoso, que há tempos está em seu encalço.

 

Título: O Conto do Adivinho (The Diviner's Tale)

Autor: Bradford Morrow

Editora: Record

Ano: 2014

Páginas: 378

Adicione no Skoob

Em O Conto do Adivinho, conhecemos a história de Cassandra. Uma mãe solteira de gêmeos, e seu trabalho como Radiestesista (pessoa que utiliza uma forquilha para encontrar água em regiões secas).

Cassandra é uma mulher forte e guerreira que criou seus dois filhos sozinha. Ela enfrenta diariamente a ridicularização dos moradores de Mendes, onde vive, e dos colegas de seus filhos. Quando pequena, acredita ter previsto a morte de seu irmão e se culpa por isso.
"Parafusos de menos, ou morcegos no sótão, assim era a maluca de Mendes, descrita através de todas as bobagens que meninos espertos e desprezíveis costumam dizer quase sempre treinando para se tornarem adultos espertos e desprezíveis."

 

Apesar de todas as dificuldades, Cassandra é a única radiestesista da região e tem muitos clientes. Enquanto procurava água para um desses clientes, Cass encontra uma garota enforcada em uma árvore. Com muito medo, ela foge do local e busca por seu amigo Niles, que é policial. Quando a polícia faz uma busca no local e não encontra nenhum sinal de crime ou garota enforcada, Cass percebe que o que aconteceu foi seu "monstro" se manifestando. O mesmo monstro que a fez prever a morte de seu irmão.
A partir daqui, sua vida sofre uma reviravolta terrível e diversas situações que ela pensava ter esquecido vem a tona.

Eu gostei muito de conhecer a personagem de Cassandra. Ela é uma mulher maravilhosa que superou inúmeras dificuldades e ainda teve forças para criar seus filhos e cuidar de sua família. No livro, a idade de seus filhos não é mencionada, mas eu os imagino como dois garotos de 12 ou 13 anos.

O Conto do Adivinho é dividido em Cinco partes e os capítulos alternam entre o presente e memórias. Ele é totalmente narrado em primeira pessoa, um ponto super positivo na minha opinião. O livro começa com muita coisa acontecendo, mas depois ele fica bem parado e até um pouco monótono. O que pode fazer algumas pessoas quererem desistir do livro. Mesmo nas partes mais paradas, eu quis muito continuar a ler e não me arrependi. É uma história muito diferente de todos os livros que já li.

Recomendo esse livro para todos, principalmente pessoas que tem receio em ler livros de suspense, pois é um suspense leve e ao mesmo tempo envolvente. Eu li a versão digital. Não encontrei nenhum erro de ortografia e a diagramação estava perfeita! Para mim, é um livro que deveria virar filme, pois é uma história digna de suspenses de Hollywood.

E vocês, já leram? Leriam? Não esqueçam de comentar.

Beijos!!

Tuesday, February 20, 2018

Guardiões da Galáxia Vol. 2 - Crítica

February 20, 2018 6 Comments
Poster do filme Guardiões da Galáxia

 

Agora já conhecidos como os Guardiões da Galáxia, os guerreiros viajam ao longo do cosmos e lutam para manter sua nova família unida. Enquanto isso tentam desvendar os mistérios da verdadeira paternidade de Peter Quill (Chris Pratt).

 

 

Título: Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2)

Diretor: James Gunn

Ano: 2017

País: EUA

Olá! Mais um post da série Desafio Oscar 2018 - Fevereiro. Daqui a pouco começaremos com os filmes de Março então confere lá o que rolou esse mês. Em fevereiro eu separei apenas filmes que eu vi "porque quis", então rolou apenas críticas positivas já que são filmes que me empolgaram muito. A partir de Março teremos críticas mais variadas, afinal são filmes que assisti por causa do desafio e não estava tão empolgada assim em assistir a todos eles.

Dito isso, vamos começar a crítica do que para mim foi o melhor filme da Marvel até agora. Guardiões da Galáxia Volume 2.

[caption id="attachment_221" align="aligncenter" width="500"]Rocket e Groot Credit: Marvel Studios e Disney[/caption]

Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um filme que eu estava esperando ansiosamente por ter gostado muito do primeiro. Neste filme, a Disney veio com tudo! Muita ação, muitas explosões e muitas piadas e momentos que te grudam na cadeira.

O filme veio para dividir os fãs, pois muitas pessoas não gostaram do filme ter essa pegada divertida. Eu, pessoalmente, assisto os filmes da Marvel exatamente por isso. Adoro o fato da Marvel focar na parte divertida e todos os heróis e vilões terem a personalidade totalmente sarcástica e estarem prontos para soltar uma piadinha a qualquer momento. Quem não gosta, acaba indo mais para o lado da DC que tem filmes mais sérios. Eu, sinceramente, não assisto nada da DC desde Batman e Robin com o George Clooney (e não pretendo assistir). A Marvel sempre foi focada em um público mais infantil desde os quadrinhos.

[caption id="attachment_219" align="aligncenter" width="500"]Drax rindo Credit: Marvel Studios e Disney[/caption]

Ao contrário do primeiro filme, que mostrava um grupo se formando e aprendendo a trabalhar junto, o segundo filme foca na construção dos relacionamentos entre os personagens. Incluíndo vilões, como Nebula e Yondu, que ganham mais espaço na tela. Também somos apresentados a novos personagens, sendo Ego o mais importante. Ele é o pai de Peter e busca, de acordo com ele, a relação de pai e filho que foi perdida a tantos anos atrás. Baby Groot também rouba a cena em diversos momentos do filme, me fazendo quase chorar de tanta fofura.

[caption id="attachment_222" align="aligncenter" width="500"]Drax - Stupid Credit: Marvel Studios e Disney[/caption]

As atuações, efeitos e trilha sonora estão simplesmente maravilhosos. Um ótimo trabalho de direção (pela segunda vez) de James Gunn. E não podemos esquecer das cenas finais. Guardiões da Galaxia Vol. 2 conta com 5 cenas extras, então assistam até o final.

Para concluir, é um filme que veio para trazer um novo clima aos filmes da Marvel, que estão ficando cada vez mais divertidos (e até bobinhos em alguns momentos). Conquistando um novo público para os filmes de super heróis. Quem já assitiu? Comenta aqui!

Beijos!!

Friday, February 16, 2018

Star Wars VIII : Os Últimos Jedi - Crítica

February 16, 2018 8 Comments
Poster do Filme Star Wars VIII Os Últimos Jedi

 

Após encontrar o mítico e recluso Luke Skywalker (Mark Hammil) em uma ilha isolada, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca entender o balanço da Força a partir dos ensinamentos do mestre jedi. Paralelamente, o Primeiro Império de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Aliança Rebelde.

 

 

Título: Star Wars - Os Últimos Jedi (Star Wars - The Last Jedi)

Diretor: Rian Johnson

Ano: 2017

País: EUA

Olá! Este é mais um post do Desafio Oscar 2018 - Fevereiro que está rolando aqui no blog. Confere lá os outros filmes que já passaram por aqui!

Quem me conhece sabe que eu sou uma super fã de Star Wars, já tendo assistido a cada filme pelo menos umas 20 vezes e sabendo de cór todas as falas e cenas dos filmes, além de ter lido todos os quadrinhos e livros que eu consegui até hoje. Posso dizer que é muito difícil para mim resenhar ou criticar algo que eu simplesmente amo e não consigo botar defeitos, mas vou tentar...

Começando pelo começo, Os Últimos Jedi é uma história de força e humanidade. Ele mostra a jornada de Rey em busca de sua origem através do aprendizado da Força. Rey encontra Luke Skywalker vivendo isolado em uma ilha que guarda os pergaminhos e ensinamentos Jedi. Ele recusa-se a ensiná-la, devido ao que aconteceu com seu último aprendiz Kylo Ren, mas acaba cedendo ao ver que a jovem não desistirá mesmo se for preciso treinar por sí mesma.

[caption id="attachment_207" align="aligncenter" width="599"]Star Wars VIII - Os últimos Jedi Photo Credit: Disney , LucasFilm[/caption]

O filme, apesar de centrar em Rey e sua busca, também não deixa de fora as cenas de ação. Enquanto Rey está na ilha com Luke, os rebeldes seguem sofrendo ataques da Primeira Ordem. O filme é rechado de cenas que lhe fazem ficar sem ar! Para os fãs da saga (como eu) é um filme totalmente nostálgico, não apenas pela presença do elenco dos episódios antigos (como Carrie Fisher e Mark Hammil), mas pela volta das batalhas com sabre de luz. Estas, estão ainda mais de tirar o fôlego.

[caption id="attachment_208" align="aligncenter" width="599"]Star Wars VIII - Os últimos Jedi Photo Credit: Disney , LucasFilm[/caption]

É um filme emocionante que mostra a reconstrução dos personagens Rey e Kylo Ren e nos faz pensar que "O lado bom" é uma questão de ponto de vista. Fico feliz pelas indicações ao Oscar que este episódio de Star Wars recebeu, com certeza foi merecido. Aguardo ansiosamente o desfecho no próximo episódio. Enquanto isso, este ano sai um dos filmes mais esperados por mim: Solo.

E vocês, já assistiram? Comenta aqui! Beijos!!

Wednesday, February 14, 2018

Eleanor e Park - Rainbow Rowell [Resenha]

February 14, 2018 8 Comments
 

Capa do livro Eleanor e Park da autora Rainbow Rowell
Eleanor é a nova garota na cidade, e ela nunca se sentiu mais sozinha. Todas as roupas estranhas, cabelo ruivo caótico, e uma vida familiar cheia de problemas, ela não poderia ficar mais de fora nem se tentasse. Então ela senta no ônibus ao lado de Park. Calmo, cuidadoso e - aos olhos de Eleanor - impossivelmente legal, Park acredita que ficar de fora do caminho é o melhor jeito de sobreviver ao colegial. Devagar e instantaneamente, através das conversas tarde da noite e uma grande pilha de fitas, Eleanor e Park se apaixonam. Eles se apaixonam do jeito que sempre é a primeira vez, quando se tem 16 anos, e não há nada e tudo a perder.

Título: Eleanor e Park (Eleanor & Park)

Autor: Rainbow Rowell

Editora: Novo Século

Páginas: 265

Adicione no Skoob

Eleanor e Park foi um livro que me conquistou. É um romance fofo e inocente, mas ao mesmo tempo é um livro reflexivo, que trata de assuntos pesados como bullying, problemas familiares, abuso doméstico e sexualidade.

O livro é narrado de duas perspectivas, Eleanor e Park, mas sempre em terceira pessoa. Começamos o livro conhecendo a personagem de Eleanor. Ela é uma menina ruiva e grande, sendo retratada algumas vezes como gorda, que se muda para uma nova cidade para morar com sua mãe, padrasto e quatro irmãos. A família de Eleanor é muito pobre e seu padrasto é abusivo com sua mãe.
“Segurar a mão de Eleanor era como segurar uma borboleta. Ou um coração a bater. Como segurar algo completo, e completamente vivo.”

 

Eleanor passa a frequentar uma nova escola e, no ônibus, conhece Park. Park tem uma família perfeita, do ponto de vista de Eleanor, seus pais se amam e ele tem tudo que quer. Por causa de sua aparência, Eleanor está acostumada com o bullying e os olhares das outras pessoas e se impressiona por Park começar a tratá-la como uma pessoa comum.

Com uma trilha sonora perfeita, revistas em quadrinho e muitas conversas, Eleanor e Park vão se apaixonando. É aquele amor inocente e saudosista dos anos 70, aquele que nós vemos nos filmes quando adolescentes e sonhamos em conseguir (pelo menos eu sonhava).
“Era muito raro encontrar alguém assim, ele pensava. Alguém para amar para sempre; alguém que também o amaria para sempre.”

 

Este livro trás a tona tantas emoções diferentes e impossíveis de descrever. É um livro romântico e dramático, daqueles que vale a pena cada segundo da leitura. Infelizmente o livro acabou e eu fiquei com gostinho de quero mais. Por mim, a autora poderia ter escrito mais umas 200 páginas (risos).

Não deixem de comentar!! Beijos!!!

Monday, February 12, 2018

Logan - Crítica

February 12, 2018 6 Comments
 

Poster Logan

 

Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Título:  Logan (Logan)

Diretor: James Mangold

Ano: 2017

País: EUA

 

Olá! Este é mais um post do nosso Desafio Oscar 2018 - Fevereiro.

Pela nona e última vez (como ele mesmo anunciou) Hugh Jackman vive o personagem Wolverine em 'Logan'. O filme é baseado (de leve) na série de quadrinhos entitulada "Old Man Logan". Nos quadrinhos vemos o personagem vivendo em um mundo pós-apocalíptico onde os mutantes já não nascem mais (devido há mutação do gene X ter sido extinta através de "tratamentos") e os poucos que restaram levam vidas normais escondendo quem um dia foram. Fora essa "base" o filme é totalmente diferente dos quadrinhos em que se baseou.

[caption id="attachment_186" align="aligncenter" width="599"]Logan Photo Credit: Fox Films[/caption]

No filme, vemos o persongem já velho, em 2029, com seus poderes de regeneração cada vez mais enfraquecidos, pelo tempo que o adamantium está nele. Ele trabalha como Choffer de limousines e deixou a vida de antiherói para trás. Uma noite ele é procurado por Gabriela, uma mulher mexicana que pede sua ajuda para proteger a menina Laura (também conhecida como X-23). Logan recusa-se a voltar a ser Wolverine, mas acaba sendo forçado a isso quando é encontrado por mercenários que estão em busca de Laura. Convencido por Charles Xavier, Logan decide cuidar da menina e protegê-la.

[caption id="attachment_185" align="aligncenter" width="599"]Logan e Laura Photo Credit: Fox Films[/caption]

Logan mostra um lado muito mais humano do personagem. Diferente de todos os outros filmes da franquia, este nos faz ver Wolverine como um personagem completo e vulnerável e até mesmo como uma figura paterna. Como grande fã do antiherói, achei o filme o melhor de todos com o personagem até hoje. A Fox conseguiu voltar à posição de honra no meu conceito. É um filme que lhe trás milhões de sentimentos (no maior estilo "The Last of Us" para quem conhece o jogo).

E vocês, já viram? Comenta aqui! Beijos!!

Friday, February 9, 2018

[Resenha] Cartas de amor aos mortos - Ava Dellaira

February 09, 2018 8 Comments
Capa do livro Cartas de Amor aos Mortos da autora Ava Dellaira

Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: Um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era - encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um - é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

Título: Cartas de amor aos mortos (Love letters to the dead)

Autor: Ava Dellaira

Editora: Seguinte

Páginas: 344

Adicione no Skoob

Cartas de amor aos mortos é um livro que me mudou, mudou meu modo de ver a vida e a morte. É um livro extremamente tocante e sensível, que trata de assuntos pesados.

Eu já tinha ouvido falar muito sobre o livro, li muitas resenhas falando coisas ótimas sobre a autora e estava querendo lê-lo há muito tempo. A capa da editora seguinte chama muita atenção e, de certa forma, descreve bem o que podemos esperar do livro. Esse livro não é feliz e bonitinho, é dramático, intrigante e vai mexer com muitos sentimentos.

Laurel é nossa personagem principal. É uma menina jovem e confusa. Sua irmã mais velha morreu quando caiu de uma ponte há um ano e Laurel decide trocar para uma escola onde as pessoas não a olhem com pena ou fiquem lembrando-a do que aconteceu.
"Quanto mais você ama alguma coisa, mais difícil é perde-la."

 

Lá ela recebe a tarefa de escrever uma carta para alguém que já morreu, logo ela decide escrever para diversos de seus ídolos, mas as cartas tornam-se pessoais demais para serem entregues e é através delas que conhecemos sua história.

O livro é inteiramente contado através das cartas, nelas Laurel nos conta o que está acontecendo em sua vida, sobre seus amigos e sobre seus sentimentos em relação a May, sua irmã. A autora faz um ótimo paralelo entre as vidas conturbadas e mortes de algumas das celebridades a quem Laurel escreve, aproveitando para tocar em assuntos delicados como Drogas, Sexo, Homosexualidade, Abuso Sexual e Suicídio.
"Percebi que existe uma razão para Kristen, Tristan, Natalie, Hannah e eu estarmos juntos ali - somos todos estranhos de um jeito diferente, e isso é normal."

 

Não pude deixar de refletir muito durante essa leitura. Foi um livro que abriu meus olhos para diversos problemas que enfrentamos ou podemos vir a enfrentar em nossa vida. É um livro que recomendo a todos que leiam em algum momento de suas vidas.
Beijos!!! Não deixem de comentar!

Wednesday, February 7, 2018

[Resenha] O lado bom da vida - Matthew Quick

February 07, 2018 4 Comments
Capa do livro O lado bom da vida de Matthew Quick

Pat Peoples tem uma teoria: sua vida é um filme produzido por Deus, sua missão é se tornar física e emocionalmente preparado e seu final feliz será a reconciliação com a ex-mulher, Nikki. Depois de uma temporada em um hospital psiquiátrico, Pat volta a morar com os pais, mas tem a impressão de que tudo está mudado: seus antigos amigos estão ocupados com as novas famílias, seu time está perdendo o campeonato (fazendo com que o humor de seu pai esteja pior que o de costume) e seu novo psiquiatra parece recomendar o adultério como forma de terapia. Ainda assim, Pat insiste em ver o que há de bom no mundo.

Título: O Lado Bom da Vida (The Silverlining Playbook)

Autor: Matthew Quick

Editora: Intrínseca

Páginas: 254

Adicione no skoob

O lado bom da vida foi meu primeiro contato com o autor Matthew Quick. Matthew tem o poder de criar personagens tão reais e emocionantes, consigo imaginá-los como pessoas de verdade, com problemas de verdade. A narrativa é maravilhosa! 

O título do livro de O Lado bom da Vida em inglês é derivado da expressão "Every cloud has a silver linning", que significa que, mesmo em dias nublados e tristes, sempre podemos ver o brilho do sol no final das nuvens, uma linha clara e prateada, que indica que todas as coisas tem um lado bom. Achei ótima a tradução do Alexandre Raposo, parabéns!! 

Amei todas as referências ao futebol americano (sim, eu adoro muito futebol americano). 

Confesso que não simpatizei nenhum pouco com a personagem de Nikki, chegando a pensar: mas por que Pat quer voltar para um pessoa assim? Mas entendi completamente a busca de Pat para reconquistá-la. 

Vou fazer uma rápida narrativa do livro para vocês. 

Pat passa um longo tempo em uma instituição psiquiátrica, a qual ele se refere como o lugar ruim, mas não sabe exatamente quanto tempo se passou ou o porquê de ele ter sido internado. Tudo que ele sabe é que sua esposa Nikki pediu por um tempo separados, que ele acredita ser porque ele não foi um marido muito bom e resolve aprimorar-se cada dia mais para que o tempo separados termine logo. 

Quando Pat sai da instituição e vai morar com seus pais, sua família não fala muito sobre Nikki, tentando evitar o assunto ao máximo e dizendo que ele não tem permissão para se comunicar com Nikki e sua família. Pat acredita que tudo isso está acontecendo por causa do tempo separados, e se ele for bom, gentil e dedicado, Deus permitirá que o tempo separados acabe logo. 

Enquanto isso Pat tem entender todas as coisas que perdeu durante o tempo que estava no lugar ruim, e o que aconteceu que o fez ir para lá. 

  
"Se as nuvens estão bloqueando o sol, sempre tento ver aquela luz por trás delas, o lado bom das coisas, e me lembro de continuar tentando, porque eu sei que, embora as coisas possam parecer sombrias agora, minha esposa logo voltará para mim." 

 

A diagramação facilitou muito a leitura, li o livro duas vezes e, se havia algum erro, passou totalmente desapercebido. Não vou revelar o final, mas saibam que me emocionei muito, mesmo durante a releitura. 

Já leram? Comenta aqui!

Não esqueçam que O Lado Bom da Vida está sendo sorteado aqui no blog junto com o livro Perdão, Leonard Peacock do mesmo autor. Clica na imagem para participar!

Monday, February 5, 2018

O Poderoso Chefinho - Crítica

February 05, 2018 8 Comments


 

Um bebê falante que usa terno e carrega uma maleta misteriosa une forças com seu irmão mais velho invejoso para impedir que um inescrupuloso CEO acabe com o amor no mundo. A missão é salvar os pais, impedir a catástrofe e provar que o mais intenso dos sentimentos é uma poderosa força.

 

 

Título:  O Poderoso Chefinho (The Boss Baby)

Diretor: Tom McGrath

Ano: 2017

País: EUA

 

Oi! Este é o primeiro post do Desafio Oscar 2018 - Fevereiro. Passa lá e confere os outros filmes que vão aparecer por aqui. ;D

O Poderoso Chefinho conta a história de Francis E. Francis, um menino que tem uma vida ótima. Filho de pais super dedicados e trabalhadores, ele vive em um mundo imaginário onde tudo é diversão e tem sempre a atenção de seus pais. Até que um dia, ele ganha um irmãozinho.

[caption id="attachment_147" align="aligncenter" width="599"]Poderoso Chefinho - o irmãozinho chegou Photo Credit: DreamWorks Animation.[/caption]

O bebê, diferentemente dos demais, chega sozinho de táxi, usa terno e, aos olhos de Francis, parece esconder alguma coisa. Com seu espírito aventureiro, Francis decide espionar o irmão e descobre que ele não é um bebê comum, na verdade ele foi enviado à família para investigar os planos do CEO da empresa onde os pais trabalham a Puppy Co.

[caption id="attachment_149" align="aligncenter" width="599"]o poderoso chefinho - Francis descobre os planos do irmão Photo Credit: DreamWorks Animation.[/caption]

Ao descobrir que o bebê irá embora, como se nunca tivesse existido, se conseguir o que veio buscar, Francis decide unir forças com ele para ter sua vida de volta.

[caption id="attachment_150" align="aligncenter" width="599"]o poderoso chefinho - os meninos decidem trabalhar juntos Photo Credit: DreamWorks Animation.[/caption]

O Poderoso Chefinho é um filme lindo. Em diversos momentos eu só queria abraçar o Francis e dizer que tudo ia ficar bem. O filme fala sobre o relacionamento entre irmãos e a competitividade que existe entre eles pela atenção dos pais de uma forma super criativa e emocionante. Com vozes super conhecidas e uma ótima direção. Super recomendo!



Quem já assistiu? Comenta aqui! Beijos!!

Friday, February 2, 2018

SORTEIO - "Aniversário da Annie"

February 02, 2018 9 Comments
Oie!! Foxes, este mês eu estou fazendo aniversário. Para ser mais precisa, completo 26 aninhos no dia 09 de Fevereiro. Quero convidar vocês a comemorar meu aniversário ganhando presente. Decidi separar dois livros de um dos meus autores favoritos, Mathew Quick, e dar de presente para vocês através de um super sorteio!

Livros participantes do sorteio Aniversário da Annie

 

Os livros sorteados são meus livros favoritos do autor: "O Lado Bom da Vida" e "Perdão, Leonard Peacock". Para participar do sorteio é muito fácil! Basta você completar o formulário abaixo. São duas entradas obrigatórias e outras opcionais. Cada entrada tem um valor diferente, então quanto mais entradas você completar mais chances vai ter de ganhar. Também existe a entrada "twitar sobre" que você pode fazer uma vez por dia e ganhar pontos todos os dias. Na entrada onde diz "Visitar página no Facebook" os participantes deverão curtir a página para participarem.

O sorteio ficará no ar até o dia 09 de Março de 2018 (Exatamente um mês depois do meu aniversário). Os prêmios serão enviados em até 30 dias úteis após recebermos a resposta do ganhador (será feito outro post dando os parabéns a ele e será enviado um e-mail para o endereço que foi deixado nos comentários), caso o ganhador não responda ao contato dentro de 5 dias úteis para receber o prêmio, será feito um novo sorteio anulando o primeiro. O blog não se responsabiliza por extravios ou danos ao pacote cometido pelo Correio. Vocês poderão entrar em contato diretamente comigo para tirar quaisquer dúvidas referentes a este post através do e-mail: contato@nerdfox.com.br .

a Rafflecopter giveaway


Boa sorte a todos!! Beijos!!